OMS declara 2021 Ano Internacional dos Trabalhadores de Saúde e Cuidadores

Os Estados membros na 73ª Assembleia Mundial da Saúde (AMS), realizada virtualmente nos dia 18 e 19 de maio e retomada de 9 a 14 de novembro deste anos, reconheceram a dedicação e o sacrifício de milhões de profissionais de saúde e cuidados na vanguarda da pandemia Covid-19 e, por unanimidade designaram 2021 como o Ano Internacional dos Trabalhadores de Saúde e Cuidados (YHCW) .

Estados-membros e atores não estatais, em uníssono, falaram sobre o papel crítico dos profissionais de saúde e cuidados para garantir nossa saúde e prosperidade. Eles enfatizaram a urgência e o imperativo de abordar os desafios persistentes dos profissionais de saúde.

Como parte do aniversário de dez anos e da revisão do Código de Prática Global da OMS para o Recrutamento Internacional de Pessoal de Saúde, a AMS discutiu a crescente escala da migração internacional de profissionais de saúde. Os Estados Membros reconheceram a alta relevância do Código, particularmente no contexto da Covid-19, e pediram sua implementação reforçada.

Além disso, os Estados Membros expressaram compromisso com os princípios e práticas éticas do Código, recomendando priorização do apoio e salvaguardas aos países com maior vulnerabilidade, incluindo maior investimento.

O Código foi identificado como um instrumento regulatório líder e universalmente reconhecido sob a administração da OMS e, como tal, os Estados Membros solicitaram à OMS e aos parceiros de desenvolvimento que fortaleçam seu financiamento, implementação e monitoramento.

No início da semana, em seu discurso na AMS, Sua Alteza Real, a Princesa Muna da Jordânia, lembrou-nos que aplausos sem ação não são mais aceitáveis e exortou os Estados-membros a investirem na saúde, nos sistemas de saúde e nos profissionais de saúde.

A 73ª Assembleia Mundial da Saúde, por meio de sua decisão de fortalecer a implementação do Código e designar 2021 como os YHCWs, reflete uma visão coletiva sobre a força de trabalho de saúde e cuidados. A Secretaria também foi solicitada a atualizar as Orientações Estratégicas sobre Enfermagem e Obstetrícia e submetê-las à 74ª Assembleia para consideração.

Refletindo imediatamente após a decisão da Assembleia, Jim Campbell, Diretor do Departamento de Força de Trabalho de Saúde na sede da OMS, declarou: “A decisão de hoje dá uma direção clara sobre o consenso e as ações necessárias na força de trabalho de saúde e cuidados. A OMS exorta todos os Estados Membros, Instituições de Financiamento Internacional, Iniciativas Globais de Saúde e parceiros a investirem na prontidão da força de trabalho de saúde, educação e aprendizagem para controlar a pandemia, manter os serviços de saúde e se preparar para uma vacina COVID-19 ”.

Em todo o mundo, a Covid-19 já contaminou mais de 51 milhões de pessoas causando pelo menos 1,2 milhão de mortes. As Américas é uma das regiões mais afetadas e notificaram somente na semana passada 150 mil novos casos.

Na América do Sul: Chile, Paraguai e Uruguai conseguiram achatar a curva de contaminação. Mesmo assim, o vírus continua uma ameaça.  A OPAS disse que vários países da Europa, que passam por uma segunda onda de contaminação, devem servir de exemplo para as nações latino-americanas e caribenhas.

O vice-diretor da OPAS voltou a afirmar que para controlar o vírus é preciso manter o sistema de vigilância que detectam as altas nos casos da Covid-19 e as medidas de prevenção como uso de máscaras, distanciamento social, medidas de higiene e outros protocolos.

Fotos/Ilustrações: 

OMS Síria: Os trabalhadores de saúde têm um papel fundamental em assegurar saúde e bem-estar para a população.

Fonte: 

OMS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.