São Luís recebe quinto encontro regional do Projeto Integra


Representantes de instituições ligados à saúde dos estados do Maranhão, Bahia, Piauí, Amapá , Alagoas, Pernambuco e Rondônia, participaram do primeiro dia do encontro regional do Projeto Integra – integração de Política de Assistência Farmacêutica, Política Nacional de Vigilância em Saúde e de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde.

Confira galeria de fotos.

O evento foi realizado nesta quinta-feira (07) e vai até a sexta (08) no auditório da Universidade Ceuma, em São Luís.

Estiveram presente na mesa de abertura , o professor Edson Miranda, representando a universidade Ceuma, Natalie de Oliveira, representando a comissão de Saúde da OAB/MA, Cristiane Gomes Evangelista da comissão da OAB e no ato também representando o seguimento de trabalhadores do conselho Municipal de Saúde de São Luís.

“É sempre uma honra receber eventos desse gabarito em nossa instituição, principalmente para discussões como essa, que não só discutem, mas também trazem soluções. Em nome da Universidade Ceuma, contem sempre conosco”, declarou o professor Édson Miranda, no ato representando a Universidade Ceuma, local do evento.

Fizeram parte ainda da mesa , Carlos Toledo, ex Presidente do Sindicato dos Farmacêuticos do maranhão, Célia Chaves, representando a Comissão de Organizadores e executiva do Projeto Integra, Fábio Basílio , vice Presidente da Federação Nacional dos Farmacêuticos, Mayrlan Avelar, Superintendente de Vigilância Epidemiológica do Estado do Maranhão, Elizângela Pestana Mota – presidente do conselho Regional de farmácia e Delryhane Carvalho, coordenadora de Imunização contra COVID-19 da Secretaria Municipal de Saúde de São Luís.

“ O Integra é fundamental na integração das três políticas públicas e traz para o debate a importância da interlocução entre a política de assistência farmacêutica, a política de ciência, tecnologia e inovação e da vigilância em saúde”, avalia Fábio Basílio , vice Presidente da Federação Nacional dos Farmacêuticos

A capital maranhense é a quinta cidade a receber o projeto, promovido pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Escola Nacional dos Farmacêuticos (ENFar), com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Membro da coordenação executiva, Ana Liane realizou a abertura do encontro explicando sobre todas as fases do projeto que já passou por Belém, Belo Horizonte, Fortaleza, Rio Branco e ainda será realizado em Goiânia e Florianópolis.

“ Esse encontro presencial é uma forma de estimular o debate e identificar os problemas gerais na área da saúde durante a pandemia, descrever o que acha importante ser combatido e identificar as causas desses problemas”, afirmou.

Dinâmicas

Entre os objetivos do encontro está a construção coletiva de propostas para o fortalecimento da Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde, da Política Nacional de Assistência Farmacêutica e da Política Nacional de Vigilância em Saúde que serão apresentados no 9° Simpósio Nacional de Ciência e Tecnologia e Assistência Farmacêutica, que será realizado nos dias 15 e 16 de setembro, na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro.

Para isso, os participantes, divididos em grupos, realizaram estudos e dinâmicas com reflexões compartilhadas entre farmacêuticos, estudantes, agentes de saúde e conselheiros municipais de saúde.

Segundo Célia Chaves, da Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar) e coordenadora executiva do projeto, trata-se de uma metodologia importante para que os participantes consigam ser mais proativos e, ao final do encontro, possam propor ações para combater as causas dos problemas em nível local e nacional.

Sobre o projeto
Proposto em 2021, em pleno contexto da pandemia de Covid-19, o projeto Integra surgiu da necessidade de mobilizar a população para o enfrentamento das críticas condições sanitárias, sociais e políticas vividas neste período e no futuro próximo. A primeira fase reuniu mais de 700 pessoas de todos os estados para uma capacitação online de 40 horas na plataforma E-farma.

A ideia é criar e fortalecer uma rede intersetorial, integrada, de lideranças capazes de atuar colaborativamente para a defesa do desenvolvimento da ciência, das políticas públicas, da soberania nacional e do controle social da saúde.

Por: Amanda Hellen

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *