Projeto Integra discute propostas de melhorias do SUS na Região Norte

O primeiro encontro regional do projeto Integra – integração de Políticas Nacionais de Vigilância em Saúde, de Assistência Farmacêutica, de Ciência Tecnologia em Saúde, encerrou na manhã desta quarta-feira (20), em Belém, com uma reflexão sobre todos os problemas identificados por representantes de diversos setores da sociedade que vivenciam o Sistema Único de Saúde (SUS) na Região Norte.
Também foram tiradas propostas de intervenção que irão subsidiar as políticas públicas nacionais nas áreas de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde, Assistência Farmacêutica e Vigilância em Saúde.

“Ontem (19) foram discutidos problemas vivenciados nos últimos anos, a partir das experiências nos serviços de saúde. A dinâmica de hoje nos levou a uma reflexão muito intimista sobre como cada um de nós pode atuar nos enfrentamentos identificados”, avaliou a coordenadora geral da Escola Nacional dos Farmacêuticos (ENFar) e da comissão organizadora do projeto Integra, Silvana Leite.
Durante o segundo dia do encontro, os participantes assistiram à apresentação de um vídeo institucional sobre o 8° Simpósio Nacional de Ciência e Tecnologia e Assistência Farmacêutica, ocorrido nos dias 10 e 11 de dezembro de 2018, na sede da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), na cidade do Rio de Janeiro, que culminou com a Carta do Rio de Janeiro. O documento expressa as discussões nas dez etapas regionais preparatórias da edição passada do evento, com a participação de mais de 600 representantes de diversos setores da sociedade.

Na sequência, os participantes foram orientados a se reunirem em duplas e grupos para aprofundarem a reflexão sobre as propostas para a esfera local, entendendo o papel de cada um na implementação das ações. “Por ser um país de dimensões grandes e de diferentes regiões, esse momento do projeto Integra é importante para conhecer um pouco dessa realidade local e o que as pessoas que moram no Norte têm a dizer sobre como construir essa política, como elas participam dos processos e suas contribuições efetivas no sentido de fazer valer um SUS muito próximo do que queremos e necessitamos”, disse a representante do Conselho Nacional de Saúde, Conceição Silva, que aproveitou para divulgar as atividades preparatórias da 17ª Conferência Nacional de Saúde, que irá acontecer entre os dias 2 e 5 de julho de 2023, com o tema “Garantir Direitos e Defender o SUS, a Vida e a Democracia – Amanhã Vai Ser Outro Dia”.

Troca de experiências

A presidente do Conselho Municipal de Santarém, Ana Dilma, lembrou das dificuldades enfrentadas no período da pandemia que afetaram todos os municípios do oeste do Pará. “Tivemos um desafio muito grande, principalmente pela falta de insumos, materiais e apoio técnico e ficamos numa situação muito vulnerável. Apesar de sermos município referência na 9ª Regional de Saúde, não tínhamos uma estrutura para conseguir atender a nossa demanda nem a dos municípios vizinhos e, com isso, tivemos um número muito grande de mortes em nossa região”.

Ela destacou que as dinâmicas do encontro foram importantes para entender a realidade e desafios de cada localidade. “O nosso desafio local, de fator amazônico, assim nossas comunidades ribeirinhas foram levadas muito em consideração, e o que propusemos foi a necessidade de uma melhor integração entre estado, município e região para conseguirmos garantir o apoio que precisamos enquanto município”, contou ela.

O conselheiro estadual de saúde do Amazonas, Marcos Corrêa lembrou dos momentos difíceis vivenciados pelos conselheiros na pandemia, com falta de apoio e de EPIs. “Passamos um bom tempo em casa nos comunicando de forma remota e pouco pudemos ajudar a população. Hoje, o Conselho Estadual de Saúde procura mudar essa realidade tendo o apoio realmente da população e a participação de todos dento do conselho”, comentou ele, que propôs o uso de forma efetiva do decreto de contingência dos governos estadual e federal para se prevenir de outras pandemias ou futuras situações difíceis na área da saúde.

“Nós ouvimos muitos relatos que aconteceram durante a pandemia, de profissionais que trabalharam ao máximo e que ficaram exaustos, de problemas logísticos, de falta de medicamentos, de pessoas desinformadas e desesperadas procurando formas de solucionar os problemas, ou seja, um total colapso no sistema de saúde que pegou muitas pessoas desprevenidas, e o que a gente pode levar dessa experiência é tomar isso como base para fortalecer o nosso sistema e buscar alianças e tentar fazer um trabalho com união e participação de todas as esferas para enfrentar melhor futuras situações”, relatou a farmacêutica e coordenadora de Ciência Farmacêutica da Secretaria Municipal de Ananindeua, Marielly Pessoa.

Etapas Regionais

Os dois dias vivenciados em Belém são parte das etapas regionais preparatórias ao 9º Simpósio Nacional de Ciência e Tecnologia e Assistência Farmacêutica, nos dias 15 e 16 de setembro, na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro. Os próximos encontros presenciais do projeto ocorrerão nos dias 5 e 6 de maio, em Belo Horizonte (MG), 19 e 20 de maio em Fortaleza (CE), 2 e 3 de junho em Rio Branco (AC), 23 e 24 de junho em Goiânia (GO), 7 e 8 de julho em São Luís (MA) e 14 e 15 de julho em Florianópolis (SC).

Desenvolvido em uma parceria do Conselho Nacional de Saúde (CNS) com a Escola Nacional dos Farmacêuticos (ENFar) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o projeto Integra foi proposto em 2021 pela necessidade de mobilizar a população para o enfrentamento das críticas condições sanitárias, sociais e políticas vividas no período da pandemia de Covid-19 e no futuro próximo.

A primeira fase reuniu mais de 700 pessoas de todos os estados para uma capacitação online de 40 horas na plataforma E-farma, com duração de oito semanas. A ideia é criar e fortalecer uma rede intersetorial, integrada, de lideranças capazes de atuar colaborativamente para a defesa do desenvolvimento da ciência, das políticas públicas, da soberania nacional e do controle social da saúde.

Texto: Julie Rocha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *