Sem nenhum crime comprovado, termina hoje o julgamento do impeachment de Dilma Rousseff

O julgamento do processo de impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff chega hoje ao seu último dia. A sessão de votação no Senado é conduzida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski.

 

Primeiro, o presidente do STF vai ler um relatório resumido das acusações, das provas e dos argumentos da defesa. Depois, começa a parte dos encaminhamentos. Serão dois senadores, de cada lado, que vão falar por cinco minutos cada um.

 

Em seguida, ocorrerá a sessão de votação propriamente dita. Ela será nominal, ou seja, cada senador será chamado ao microfone e dirá ‘sim’ ou ‘não’ à pergunta se Dilma Rousseff cometeu crime de responsabilidade fiscal.

 

Se 54 dos 81 senadores responderem ‘sim’ o impeachment é aprovado e Dilma Rousseff perde o cargo.

 

Os senadores debatem neste momento se a votação será única ou se haverá duas votações, uma sobre a perda de mandato e outra sobre a questão da inelegíbilidade de Dilma Rousseff por oito anos. Michel Temer, então, assume definitivamente a Presidência da República.

 

Se não houver 54 votos, a presidenta  Dilma retorna imediatamente ao cargo para a conclusão do mandato até 2018. Pelos discursos vistos na sessão de ontem, que foi até às 2h de hoje, dos 67 senadores que foram à tribuna, 44 declararam voto a favor do impeachment e 18 se disseram contrários.

 

Da redação com CTB

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.