; Fenafar e Sindicato em ação - Fenafar

Exatamente oito meses após a data-base, saiu a convenção dos/as farmacêuticos/as que atuam nas transportadoras em Santa Catarina. Com a publicação do termo pelo Ministério do Trabalho e Emprego, o piso salarial passa oficialmente de R$ 2.597,45 para R$ 2.885,25.

 

Embora o acordo entre o SindFar e o sindicato patronal tenha sido fechado em 17 de maio, houve atraso na homologação do termo pelo Ministério do Trabalho e Emprego, segundo a presidente do SindFar, Fernanda Mazzini (Nanda). Conforme a presidente, muitas empresas já devem estar repasando o reajuste baseado no acordo, mas as que optaram por aguardar a publicação do termo devem obrigatoriamente fazê-lo a partir da próxima folha de pagamento.

O termo tem validade entre 1º de março de 2016 e 1º de março de 2017. Nanda alerta que os colegas que ainda não receberam o aumento salarial também tem direito a retroativo a 1º de março. "Caso a diferença do retroativo ou mesmo o reajuste não seja concedido, os colegas devem entrar em contado com o sindicato para que possamos ajudar a pressioar os patronais", explica a farmacêutica.

Acesse aqui o termo e confira outros direitos assegurados pela convenção coletiva dos farmacêuticos das transportadoras.

Fonte: SindFar/SC
Publicado em 03/11/2016

O Sindicato dos Farmacêuticos no Estado do Rio Grande do Sul (Sindifars), em assembleia geral extraordinária realizada em conjunto com os demais sindicatos da área da saúde, no último dia 27, definiu realizar greve por 48 horas, a partir das 7 horas da manhã do dia 9 de novembro de 2016. A justificativa da decisão é a frustração das categorias na negociação do reajuste salarial.

Ainda, ficou deliberada a continuidade da assembleia para o dia 11 de novembro de 2016, a fim de ser realizada uma avaliação do movimento, bem como a eventual manutenção do movimento grevista caso não seja apresentada nova proposta pelo sindicato patronal (Sindihospa).

No período, em respeito aos usuários e as previsões da Lei de Greve, serão mantidos em funcionamento apenas os atendimentos das necessidades inadiáveis da população.

“Estavam presentes representantes de várias entidades, que expuseram indignação quanto à postura do Sindhospa. Todos concordaram que devemos lutar pela reposição do INPC +5%”, declarou a diretora do Sindifars, Helena Cavalcanti Ransolin.

Fonte: Sindfars
Publicado em 01/11/2016

Na manhã desta segunda-feira, 31 de outubro, o Sindicato dos Farmacêuticos de Minas Gerais - Sinfarmig se reuniu com a assessoria jurídica da Maternidade Santa Fé para negociar Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) para jornada de 12X36.

 

Obedecendo a determinação estabelecida pela Lei nº 13.021/2014, combinada com a Resolução nº 556/2011 do Conselho Federal de Farmácia (CFF) e Portaria nº 4.283/2010 do Ministério da Saúde e também das novas exigências do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF/MG) quanto á exigência da efetiva prestação de Assistência Farmacêutica pelo profissional nas farmácias hospitalares.

Para que a jornada 12X36 possa ser implantada na farmácia hospitalar, segundo a Súmula 444, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ela deve estar prevista em “Convenção Coletiva de Trabalho” (CCT) ou “Acordo Coletivo de Trabalho” (ACT). O acordo deve ser obrigatoriamente negociado e firmado entre o sindicato profissional, o Sinfarmig e cada empregador.

O Sinfarmig aproveitou a oportunidade para reivindicar melhores condições de trabalho e melhor remuneração, inclusive com fixação de “Piso Salarial”

Esta foi à segunda vez que a Maternidade Santa Fé e o Sinfarmig se reuniram sem chegar a um acordo. Vale destacar, entretanto, que a reunião foi positiva quanto às chances de melhoria no salário dos farmacêuticos e fixação de Piso Salarial. A proposta do empregador é de reajuste salarial de 48%. Uma nova reunião deverá ser agendada.

Fonte: Sinfarmig
Publicada em 31/10/16

Mais Artigos...

UA-480112034-1