; Fenafar e Sindicato em ação - Fenafar

O Sindicato dos Farmacêuticos do Estado da Paraíba realizou assembléia geral com a categoria para discutir e deliberar sobre Campanha de Reajuste Salarial data base 1º de julho de 2016 Destaque

 

Na última terça-feira (26), foi realizada a Assembléia Geral Extraordinária do Sindicato dos Farmacêuticos do Estado da Paraíba, na sede da própria instituição, onde estiveram presentes mais de 30 profissionais farmacêuticos.

Na ocasião, o Sindicato apresentou a dificuldades em reajustar o salário da categoria. Os farmacêuticos que estavam presentes na assembléia fizeram algumas colocações além do reajuste salarial, tais como reajustar também outros benefícios referentes aos vales e elaboração da tabela de feriados para a categoria aos domingos e feriados.

A partir das referidas colocações e exigências feitas, a categoria poderia aceitar o reajuste de 10% sugerido pela DRT em mesa redonda realizada em 26/06. A vice-presidente do SIFEP, Hariad Ribeiro de Morais, ressaltou os pontos colocados na assembléia e informou que a próxima mesa de negociação na DRT deverá ate primeira quinzena de agosto, fazendo o convite aos farmacêuticos que quiserem comparecer á ocasião assim que confirmarem a próxima data, será informada a categoria.

Fonte: Sifep
Publicado em 01/07/2016

Na década de 60, o mercado farmacêutico em Pernambuco, seguindo o ritmo de crescimento nas principais capitais brasileiras, ganhava impulso, necessitando de mais profissionais com qualificação e dedicação ao trabalho. Com essa exigência, tornou-se imprescindível a criação de uma entidade sindical que representasse os trabalhadores e defendesse suas causas e direitos. É neste cenário que surge o Sindicato dos Farmacêuticos no Estado de Pernambuco, reconhecido pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS), em 29 de julho de 1966.

 

Em sua ideologia inicial, predominava o reformismo e as lutas operárias hegemonizadas por setores operários ligados ao PTB. Sob a sigla de Sinfarma, o sindicato foi criado por profissionais que na época já vislumbravam um mercado promissor e cheio de oportunidades, principalmente por sua área de abrangência. Enfrentou momentos difíceis de combate e galgou por terrenos que lhes possibilitaram o fortalecimento da categoria através do embate para o êxito de suas reivindicações. Mas desde o início sentiu que não seria fácil travar guerra contra um patronato dominador, com visão de lucros sem se importar com a valorização do profissional farmacêutico.

“Nessas cinco décadas, o Sinfarpe se consolidou como entidade marcada por muita luta, compromisso e comprometimento com os profissionais e a sociedade. Participou ativamente das lutas nacionais, a exemplo das Diretas Já; da Marcha dos 100 Mil; da Criação do SUS, tendo participado efetivamente da 8ª Conferência Nacional de Saúde, em 1986; entre tantas, além de galgar por todos esses anos por uma assistência farmacêutica de qualidade para os usuários e os profissionais no Estado. Oferecer um serviço de referência, com salários e condições de trabalhos dignos, e atender à população com decência e respeito têm sido nossas principais bandeiras de luta e jamais vamos desistir de buscar melhorias para a categoria, pois o sindicato é pra lutar. Não abriremos mão de nenhum direito a menos!”, resume a presidente, Veridiana Ribeiro.

De acordo com a líder sindical, o Sinfarpe nasceu de uma necessidade urgente, já que em 1964, os sindicatos e sindicalistas foram duramente reprimidos com o golpe militar, que dentre outras medidas repressivas limitaram a Lei de Greve e substituíram a estabilidade no emprego pelo Fundo de Garantia. Foi nessa situação, que a entidade pernambucana deu os primeiros passos e seguiu com o propósito de enfrentar a ditadura e opressão dos direitos trabalhistas.

O Sinfarpe é uma organização de base estadual, filiado à Federação Nacional dos Farmacêuticos – FENAFAR/CTB e a nível estadual à Central Única dos Trabalhadores CUT, sendo a federação filiada à Confederação Nacional dos Trabalhadores Universitários CNTU/CTB. Tem assento no Conselho Estadual de Saúde, desde a sua criação, sempre na defesa da saúde pública, gratuita, estatal e de qualidade.

Integra a Frente Pernambucana em Defesa da Saúde Publica, assinando inclusive o manifesto de adesão a Frente Nacional Contra as Privatizações na Saúde – FNCPS, tendo sido uma das primeiras entidades a se manifestar contrária a criação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – EBSERH.

A primeira diretoria eleita (1967-1969) em plena ditadura militar/civil foi composta por Manuel de Souza Gomes Júnior (presidente), Carlos Alberto de Farias Vaz (vice), Geraldo Lemos de Freitas (vice-secretário), Tarcísio de Oliveira Moura (secretário), Aluízio dos Anjos Neto de Mendonça (1º tesoureiro), Carlos Augusto Ramos Leal (2º tesoureiro) e Francisco Sátiro da Nóbrega (diretor assistencial).

Nesses 50 anos, muitos profissionais dedicados à luta por melhorias para a classe, participaram da entidade como diretores, entre os quais: Peron xx, Alexandre Magno D'emery Oliveira Gomes, Julieta Cristina Fonseca Nogueira Araújo, Veridiana Ribeiro da Silva (também presidente em gestão anterior), Hermias Veloso da Silveira Filho, Luís Torres, Alcidésia Barbosa de Oliveira, Maria José da Silva Pinto Tenório, Manuel de Souza Gomes Junior (in memorian) e Geraldo Lemos de Freitas (in memorian). Além da diretoria, a entidade foi firmada com o apoio de muitos colaboradores, e hoje, tem a felicidade de completar 50 anos, agradecendo a contribuição de todos, convocando a categoria a uma participação mais efetiva nas atividades do sindicato.

“Tivemos muitas conquistas nesses 50 anos, mas podemos enriquecer mais ainda nosso currículo de lutas com a integração dos profissionais nas mobilizações. Afinal, o sindicato é a categoria!”, lembra Veridiana, completado: “Parabéns a todos nós farmacêuticos de Pernambuco por termos uma entidade comprometida com sua base e que hoje, 29 de julho de 2016, completa cinco décadas tendo muito que comemorar”.

Nesta quarta-feira, 27/07, foi realizada a segunda rodada de negociação coletiva entre o Sindicato dos Farmacêuticos de Minas – Sinfarmig e o Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Casas de Saúde de Minas Gerais –Sindhomg.

 

A proposta da entidade patronal foi de reajuste 5% para os farmacêuticos hospitalares com pagamento retroativo à data-base, 1º de junho. Contudo, os índices oficiais que medem a inflação já apontam 9,49% referente ao período de junho de 2015 a maio de 2016.

A fixação do piso, no entendimento do Sinfarmig, é a única possibilidade de garantir uma remuneração mínima e digna para todos os profissionais. Entretanto, o Sindhomg negou o pedido dos farmacêuticos mineiros.

Diante dessa posição de desconsiderar a maior parte da pauta de reivindicações da categoria, o Sinfarmig convoca os farmacêuticos hospitalares para avaliar a campanha salarial e definir outras estratégias de negociação. Para dar encaminhamento será solicitada uma nova reunião com os representantes dos hospitais o mais breve possível, para tentar chegar a um acordo.

Fonte:Sinfarmig
Publicado em 27/07/16

Mais Artigos...

Artigos

UA-480112034-1