; Greve Geral mobiliza mais de 360 cidades e 45 milhões de trabalhadores - Fenafar

Sidebar

1

Greve Geral mobiliza mais de 360 cidades e 45 milhões de trabalhadores

Fenafar e Sindicato em ação

De acordo com a organização, esta é a maior mobilização da história, com atos em mais de 360 e cerca de 45 milhões de trabalhadores de braços cruzados. A Fenafar e os sindicatos de Farmacêuticos em todo o país se somaram à luta contra a Reforma da Previdência.

 

Segundo as centrais sindicais, a greve geral desta sexta-feira (14) já é vitoriosa. Desde a madrugada, mais de 360 cidades no país foram tomadas por atos contra a reforma da Previdência e os cortes na educação. De acordo com os organizadores, essa é a maior mobilização da história, com 45 milhões de trabalhadores de braços cruzados.

Na avaliação do presidente nacional da Centra Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, a greve fortaleceu a luta dos sindicatos, que vão continuar pressionando os deputados contra a reforma da Previdência.

“Essa greve geral está sendo exitosa, apesar das práticas antissindicais de patrões e tribunais, mesmo com a repressão policial em vários estados. Foi maior do que a greve construída em 2017 contra a reforma de Michel Temer. E nós vamos a Brasília, vamos organizar novas manifestações, coletar assinaturas e entregar um abaixo-assinado no Congresso Nacional” , afirmou o sindicalista.

Mapa interativo

Em mapa interativo elaborado pelo Armazém Memória e Comissão Justiça e Paz de São Paulo, com apoio da CUT e da União Nacional dos Estudantes (UNE), é possível acompanhar os lugares onde já aconteceram atos e aqueles que ainda vão receber manifestantes. Nessa plataforma já são contabilizadas mais de 360 cidades.

Os dirigentes sindicais ainda anunciaram que a greve desta sexta-feira superou os números da última, de abril de 2017, quando cerca de 40 milhões de trabalhadores aderiram ao movimento. As estimativas até agora é que cerca de 45 milhões participaram nacionalmente da paralisação, que envolveu CUT, CTB, CUT, CTB, CGTB, UGT, Nova Central, Conlutas, Força Sindical, Intersindical e CSB, com apoio da Frentes Brasil Popular e da Povo Sem Medo.

Da redação com CTB
Publicado em 17/06/2019

UA-480112034-1