; Reforma trabalhista vai impactar na saúde do trabalhador - Fenafar

Reforma trabalhista vai impactar na saúde do trabalhador

Trabalho e Emprego

Segundo Victor Pagani, do Dieese, o número de acidentes de trabalho e adoecimentos ocupacionais poderá crescer após o projeto sancionado pelo governo Temer

A reforma trabalhista, junto com a terceirização ilimitada, pode aumentar os casos de acidentes e adoecimentos ocupacionais. Essa é a análise do supervisor do escritório regional do Dieese em São Paulo, Victor Pagani.  Ele afirma que as mudanças colocam os interesses empresariais acima da saúde do empregado.

Ouça a entrevista concedida para a Rádio Brasil Atual

Pagani alerta que os terceirizados serão os mais prejudicados, pois são as principais vítimas dos acidentes de trabalho. As empresas terceirizadas são menores, investem menos em segurança e expõem seus trabalhadores a maiores riscos de acidentes. "Na Petrobras, mais de 80% dos mortos em serviços, entre 1995 e 2013, eram terceirizados", afirma.

Um dos pontos da reforma trabalhista criticados pelo especialista é a falta de controle da jornada de trabalho para os empregados que exercem a função remotamente, ou seja, de casa. Segundo ele, o fato do funcionário ficar ligado praticamente todo o tempo a dispositivos como computador e celular, sem ter um horário definido, aumenta os riscos de adoecimento, por conta do estresse e da desorganização da vida particular.

Ele também critica as mudanças nos intervalos de trabalho. O projeto estabelece a possibilidade de jornada de 12 horas de trabalho com 36 de descanso, antes restrita a profissionais de saúde, para qualquer área. Além disso, a reforma estabelece um intervalo para o almoço, durante a jornada de, no mínimo, 30 minutos, ao invés de uma hora, como estabelece a legislação atual. "Quanto menor o tempo de descanso, maiores os riscos de acidentes do trabalho e de adoecimento ocupacional", afirma Victor.

A reforma também afeta as gestantes, segundo o especialista. O texto sancionado permite atuação de grávidas e lactantes em local insalubre. Para ele, isso afetará a saúde das mães e do bebês. "As empresas colocam os seus interesses acima de tudo e o trabalho vira um ambiente de adoecimento e até mortes", critica.

Fonte: Rede Brasil Atual
Publicado em 27/07/2017

Artigos