; Marcha de Abertura do FSM mostra força da luta por Um Outro Mundo Possível - Fenafar

Marcha de Abertura do FSM mostra força da luta por Um Outro Mundo Possível

Movimento Social

A luta por “Um Outro Mundo Possível”, lema inaugural do FSM e que continua atualíssimo, reuniu milhares de ativistas de várias partes do mundo na cidade de Salvador, nesta terça-feira (13), na marcha de abertura do Fórum Social Mundial.

Mais de 60 mil pessoas caminharam do Campo Grande até a Praça Castro Alves, portando bandeiras, entoando palavras de ordem, cantando e cerrando o punho contra o avanço do neoliberalismo e para denunciar o golpe em curso no Brasil. A Fenafar, Sindicato dos Farmacêuticos da Bahia também marcaram presença na marcha do FSM.

Ronald Ferreira dos Santos, presidente da Fenafar, disse que a Marcha e as atividades do FSM são demonstrações de que há com a união dos vários movimentos sociais é possível apresentar alternativas e superar a crise política e econômica do País.

E é exatamente esta a marcado do FSM, ser um espaço de encontros, convergências, diálogos, reflexões e questionamentos para construir ideias de superação das desigualdades e de todas as formas de opressão.

O presidente nacional, Adilson Araújo, defendeu a importância do encontro dos povos, principalmente, pela marca da diversidade – de gente, de lutas e de experiências. Para ele, o FSM acontece em um momento delicado, “em que o mundo reclama as repercussões da grave crise econômica mundial”, e servirá para denunciar uma agenda ultraliberal que quer se firmar.

Para Adilson Araújo, é preciso estar sempre atento para impedir o avanço da agenda ultraliberal, que, segundo ele, significa retroagir em relação às conquistas históricas de direitos fundamentais. “Ganhar as ruas é também fortalecer o processo de mobilização contra todo e qualquer retrocesso”, afirmou.

O FSM 2018 está atento aos problemas mundiais e às dificuldades por qual passa a luta progressista, atualmente, mas trouxe, já na marcha de abertura, uma mensagem otimista, traduzida no lema ‘Resistir é criar. Resistir é transformar!’. Aproximadamente, 1.500 coletivos, organizações e entidades estão cadastrados para participar do evento, tendo inscritas 1.300 atividades autogestionadas, distribuídas ao longo de cinco dias de intensos debates, encerrados no sábado (17/03).

Artigos

UA-480112034-1